sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Como se fosse a primeira vez

Tem aquele papo de artista que diz que a cada vez que se sobe no palco é como se fosse a primeira, porque a emoção é sempre diferente. Tá aí uma boa metáfora para cada nova lesão que aparece em mim. Não pensem que depois da segunda ou terceira, acostuma-se com a ideia; não é verdade. Acho que a diferença é a maturidade que se cria, a maneira de lidar com a situação... Mas, na realidade, nunca é fácil e, pelo menos sob o prisma psicológico, os dias até que o problema não seja resolvido são os mais duros. Pois as caraminholas ficam tentando tomar conta da cabeça, e é bem difícil controlar estas inquietações.

Guarapuava/2008 - Saudade delas (menos das muletas).
Eu já descrevi, em outra ocasião, parte de como se deram os fatos por volta de 2001 e 2007. Volto, agora, a me utilizar do recurso cronológico para narrar os acontecimentos posteriores - ou melhor, uma parcela deles. O ano de 2008 foi, integralmente, de recuperação (por conta do enxerto ósseo na tíbia, exigindo que eu usasse muletas). Ao mesmo tempo, foi também um ano muito produtivo em relação aos meus trabalhos pessoais e, o melhor de tudo, livre de novos tumores. Hoje em dia vejo quanta vantagem tal ano teve, já que 2009, 2010 e 2011 não passaram em branco no aspecto de tratamentos (tanto cirúrgico quanto sistêmico).

Iaciara(GO)/2009 - Comunidade Quilombola (Projeto Rondon).
Em junho de 2009 passei pela minha terceira cirurgia, desta vez em um dos pulmões - o direito. De fato, câncer no pulmão era (naquele momento) algo meio assustador. Era diferente dos anteriores, portanto causava um novo medo. Estava com uma viagem marcada para as férias de julho, e não queria perder. Isso não aconteceu, pois antes do início do mês eu já estava recuperada e com as malas prontas pra ir pro sertão de Goiás, numa cidade chamada Iaciara, onde participei do Projeto Rondon (um projeto coordenado pelo Ministério da Defesa, e realizado em parceria com as IES brasileiras). Hoje vejo que isso, além de ter sido uma "loucura" da minha parte, foi também prova de que NADA pode ser deixado de lado quando se tem um propósito. Com os devidos cuidados sendo tomados, a indicação é viver - sem contra-indicações.

E foi isso que fiz até me deparar com a quarta cirurgia, no rim esquerdo. Esta, em dezembro de 2009. Mais especificamente, 22 de dezembro, o que fez com que eu passasse a CEIA de NATAL internada. Sacanagem, né? Já tinha passado dia das crianças e aniversário, mas Ceia de Natal? Foi péssimo. Tive que me contentar em assistir Shrek Especial de Natal pela TV, enquanto todos se deliciavam com perus e festejavam ao som de Dingobel. Indignação à parte, no dia 25 tive alta e fiquei feliz, muito feliz. No dia seguinte lembro ter participado, precocemente, de um churrasco com amigos - ainda com as devidas cautelas, não me privo dos bons momentos, não me imponho contra-indicações. O fim do ano chegou e eu, ainda com os pontos da cirurgia, pude, desta vez, me deliciar com o pernil do Reveillon. =)

2010 - Colação de grau (Jornalismo 2006/2009).
2010 deu boas vindas e o próximo passo era a quimioterapia, já pela segunda vez. Mas ela pôde esperar que passasse a minha formatura - momento tão importante pra mim, e do qual eu não abriria mão. Dia 19 de fevereiro: colação de grau; dia 20 de fevereiro: festejos; dia 21 de fevereiro: viagem Guarapuava-Apucarana; dia 22 de fevereiro: quimioterapia. Belo contraste! Passados dois meses de tratamento e os cabelos (que já tinham crescido até o ombro) novamente "derrubados", a próxima missão era passar na seleção de mestrado. Ao mesmo tempo em que estudava para as provas e participava das entrevistas, descobri um quinto tumor: no pulmão esquerdo. Cirurgia realizada em outubro de 2010 e, concomitantemente, mais uma etapa profissional vencida. Meu presente de aniversário, nesse novembro, foi a vaga conquistada e novas dores, agora no fêmur esquerdo. Além dessa lesão, ainda foi descoberta uma outra, no rim direito. Exatamente assim, sem tempo pra pensar. Em dezembro já estava começando, pela terceira vez, novas sessões de quimioterapia, as quais duraram até o início das aulas do mestrado, em fevereiro de 2011.

Em março de 2011, fiz a sexta cirurgia, em que o fêmur esquerdo foi substituído por uma prótese e também foi retirado um tumor menor, na coxa direita. Tal cirurgia me fez reencontrar as amigas muletas - agora por um período mais curto: 4 meses. Ou seja, foi com elas que, no mês de abril, me internei para a sétima cirurgia, em que houve retirada integral do rim direito. Sim, agora só tenho um rim. Esse foi outro acontecimento que, de início, me assustou muito, mas, pelo menos até então, não tem me proporcionado nada de diferente. Ambas as cirurgias intercaladas com aulas, seminários, novos colegas, novos professores, novos conteúdos e, digo mais, todos esses "novos" têm sido minha salvação, meu refúgio, meu desvio de preocupação (claro que para outra preocupação: a dos artigos, dos autores e teorias incompreensíveis e, ao mesmo tempo, fascinantes). E é ainda nesse contexto de "produtividade" que pretendo encarar o tratamento que está por vir, e as duas novas cirurgias (a oitava e a nona). Aos que estão pasmos, eu digo uma coisa: não sei até quando eu aguento a guerra, mas enquanto eu não perder, a luta é garantida!
Califórnia/2011 - Duas palhaças que (também) alimentam minha saudade.

12 comentários:

  1. Parabéns Suellen,
    pelas palavras tão bem colocadas
    e pela grande guerreira que vc é,
    já te disse e repito, adoro ler seu blog,
    :)

    ResponderExcluir
  2. Emocionante. Não importa o quão grande é o relato, eu sempre paro pra ler e não sossego enquanto chego ao final. quero ter logo seu livro em mãos! Beijos da fã.

    ResponderExcluir
  3. Belas e fortes palavras, Suellen... que me deixam triste pelos acontecimentos, mas que me fazem estar do seu lado e torcendo muito, mas muito mesmo, por você. E, com certeza, existem muitas outras pessoas que precisam destas palavras.
    Bjo.

    ResponderExcluir
  4. 2008 e 2009 foram inesquecíveis. Carregar malas, ir parar num hospital em Iaciara, comer poeira, e ao mesmo tempo, olhava pra vc e logo sorria. E foi sempre assim né.
    O texto mais lindo su. Daqueles q fez um plim. Talvez por eu ter vivido alguns desses momentos contigo e ter visto, de pertinho, o quao forte e guerreira vc é.
    saudade de tudo isso. inclusive dessa torta d chocolate ali, q tava uma delicinha né! hahaha ;)

    ResponderExcluir
  5. Nossa, mesmo sabendo um pouquinho da sua história, fico cada vez mais impressionado com o que vou ficando sabendo por aqui. Você é uma pessoa incrível, uma guerreira de verdade, que não deixou e não se deixa abater. Muita gente devia mesmo se espelhar em você, não reclamar da vida e ter pelo menos metade da força do seu espírito. Você é uma pessoa que não permite que sintam pena de você, pelo menos é essa a impressão que tive até agora. Você consegue transformar tudo que aconteceu com você, não em sentimendo de pena, mas em admiração mesmo. Eu sinceramente, não sei se teria essa mesma força, e é isso que faz com que eu te admire ainda mais. Que Deus abençoe você! Lute sempre, você é sinônimo de VIDA e FORÇA.

    ResponderExcluir
  6. Oi Su! Não comento sempre....mas sempre acompanho tudo o que acontece por aqui! ;) Beijão! Continue escrevendo!

    ResponderExcluir
  7. Oi querida, eu já fiz várias cirurgias ortopédicas e esta semana recebi a notícia que uma nova cirurgia terei que fazer, só que desta vez diferente das outras, terei que fazer uma biópsia antes... fiquei preocupada pois não sei o resultado disto. Pensei: vai começar tudo de novo: hospital, cirurgia, parar minha vida profissional e acadêmica.. mas lendo o que você escreve, tudo isto fica tão pequeno... o que é uma cirurgia, uma biópsia perto de tudo que você passou? Sei que eu também passei por muitas coisas, mas confesso que nada perto do que você enfrentou. Parabéns, continue assim.. vamos que vamos.. bola pra frente que atrás vem gente.

    ResponderExcluir
  8. Leio, Releio.. Não me canso! Você transmite essa força imensa que possui!Fique com Deus querida.. Carpe Diem!

    ResponderExcluir
  9. Rosimere Valduga- Cascavel.Pr.9 de setembro de 2011 00:20

    Suellen,
    Em tantas situações delicadas pelas quais vc passou, é um grande presente o modelo de DELICADEZA que vc transmite ao mesmo tempo. Eu fiquei refletindo, sobre a sua grandeza, tanto quanto a grandeza do próprio universo, só consigo agradecer por fazer parte dessa grande TRAMA. Realmente, você me remete ao sentido TAO, ao sentido UNO...estamos entrelaçados, e quiçá, mais pessoas possam beber e aproveitar dessa sua FORÇA poderosa de transcendência. Estou agradecida com todas as minhas moléculas e quero que sinta mesmo virtualmente, o meu carinho e bençãos, e saiba, me percebo de verdade, desenvolvendo minha inteligência espiritual com a sua história de vida. Obrigada e um grande abraço.

    ResponderExcluir
  10. Su, eu realmente me emociono muito com seus textos, com suas histórias... Você é forte, menina, e ter você aqui nesse final de semana foi lindo! Brigada por isso! Obrigada por fazer parte de um momento tão gostoso! E, principalmente, obrigada por me ensinar tanto!
    Olha, eu sei que não é assim um consolo, mas eu já passei Natal e Ano Novo internada... uns três anos seguidos, eu escolhia bem essas datas pra ficar doente... rsrsrs... E, veja bem, Natal também é meu aniversário! kkkk Nunca descobriram o que eu tinha, mas enfim, tô viva então tá valendo! rsrsrs Beijos, querida, e bora pra guerra. Estamos aí, pro que der e vier! ;)

    ResponderExcluir
  11. Ana Carolina de Godoy16 de setembro de 2011 15:42

    Lindo texto..
    Ainda não tinha visitado seu blog, apesar de ouvir muito sobre ele, e é realmente muito bem feito. Uma lição a todos nós.
    Passei a te admirar ainda mais.

    ResponderExcluir
  12. Querida garota,exemplo de vida!Creia, vou orar por vc,pedir para o oncologista MAIOR te alcaçar com SUAS MÂOS ENSANGUENTADAS e vou pedir em profundo suplício para que ELE me permita te colocar dentro do SEU LADO ABERTO,donde jorrou àgua e sangue de um inoscente;e esse SANGUE tem poder sobre-natural;basta que tu creias cegamenteque existe um ser supremo,que um dia disse:pedí e recebereis,batei e a porta vos será aberta;ELE tbm dissedepois que o cego de nascença,tocou em suas vestes:VAI!ATUA FÈ TE CUROU!querida amiga,eu sou mãe da Lays,amiga da Renata e sobrevivente de 8 cirrurgias desse mesmo mal;por meio da Lays é que te conhecí e por isso tudo é que estou aqui sã e salva,mas porque JESUS me tocou com suas mãos e me guardou dentro do SEU LADO ABERTO.Dentro do SEU CORAÇÂO,tem,com ceteza, um cantinho p/ vc tambem!Creia que tu serás curada e determine isso na tua vida;diga:eu quero,eu posso,se JESUS é comigo,nada temerei;ELE sara nossas feridas e cura os corações despedaçados,creia!Eu estou aqui te provando que ELE é o DEUS do impossível,que nunca nos abandona,por isso quando a Cruz pezar e tu olhares para tráz e veres só um par de pegadas,não foi vc que andou sozinha,foi ELE que te carregou nos braços!querida amiga te amo,mesmo que apena por foto;vc é mto linda;mesmo que atrazado,parabéns pela sua formatura e pela sua garra!Vc vai viver ainda mtas formaturas mtas conquistas mtos sonhos!Acredite,a vida é bela,mas se vc pegar na mão de JESUS e se agarrar nÉLE,sua vida será maravilhosa,e ELE me dará a graça de ver vc testemunhar tudo isso e mto+>Amiga te convido a escutar:wwwpadrereginaldomanzotti.org.br todos os dias das 10 às 11hs da manhã e das 3 às 3 e meia da tarde,depois tu me conta...o meu endereço é:olgapederssetti@hotmail.com bjo no teu coração,JESUS t ama e eu tbm

    ResponderExcluir